Depois de passar a 16ª e 17ª rodadas sem sacudir a rede, o atacante Bergson voltou a fazer gol e justamente aquele que deu a vitória ao Paysandu, de virada, por 2 a 1, sobre o Santa Cruz-PE, na última terça-feira (1º), em São Lourenço da Mata, Pernambuco. Com o tento, o atacante chegou a marca de 17 gols, em 31 partidas pelo clube, o que deixou o principal artilheiro do Papão na temporada com uma média de 1,8 gols por partida. Motivo de alegria e motivação para o camisa 30 da equipe bicolor.

Ainda em Pernambuco, Bergson falou sobre as pazes que fez com a rede, após ter passado em branco nos jogos contra o Brasil-RS e Ceará-CE, fora e dentro de casa. O atacante aproveitou para lembrar o bom retrospecto em jogos contra o Santa e o maior rival bicolor, o Remo, vítima do jogador durante as disputas do Parazão e Copa Verde. “Até brinquei com os colegas, dizendo que o Santa é tipo o Remo, lá (em Belém). Fiz quatro jogos contra o Remo e fiz quatro gols. Aqui fiz três jogos contra o Santa e também fiz três gols, três pelo Náutico-PE e um pelo Paysandu”, disse. Para ele, o Papão já merecia deixar o gramado da Arena Pernambuco, no intervalo, com a vitória parcial pelo volume de jogo que apresentou.

MORAL PRO TÉCNICO

Bergson creditou o sucesso do time ao técnico Marquinhos Santos, segundo ele, o principal artífice da vitória. “A gente precisa ressaltar o trabalho do Marquinhos”, destacou.


O jogador afirmou que o resultado tirou um peso das costas dos jogadores e também da Fiel. “Acredito que como nós, o torcedor está aliviado. A gente já começou a pensar no Figueirense e, claro, a gente conta com o apoio do torcedor”, salientou o goleador.

Nando Carandina deixa boa impressão na meiuca

Estreante com a camisa do Papão, o meia Nando Carandina não poderia ter deixado melhor impressão no jogo em que o time bicolor voltou a vencer na Série B do Brasileiro, batendo o Santa Cruz, em plena casa do adversário. No desembarque, em Belém, o apoiador falou sobre o resultado e o significado dele para o futuro da equipe na competição.

“Foi muito importante essa vitória. A gente precisava dar uma afastada desse Z4, mas ainda é muito pouco para o que é o Paysandu e pelo que ele almeja”, avaliou. “A gente tem de começar a somar pontos em casa, para que o time possa encostar lá em cima”, prosseguiu. Carandina não poupou elogios a Marquinhos Santos, sobretudo nas mudanças feitas pelo treinador.

“Acho que ele mexeu bem, colocando o time pra cima, deu certo e a gente conseguiu sair com o resultado positivo”, destacou.

O meia recomendou ao time que enfrente o Figueirense-SC com a mesma postura adotada na partida passada. “Agora é fazer dentro de casa, que eu tenho certeza que a vitória também virá”, previu otimista.

(Nildo Lima/Diário do Pará)