Confiança. Essa tem sido a palavra-chave no dia a dia do Paysandu, às vésperas de encarar o primeiro dos oito desafios que o time tem na reta final da Série B do Brasileiro. Com uma sequência de oito jogos sem vitória na competição, resultados que levaram a equipe a ocupar a 18ª posição na classificação, o técnico João Brigatti tem intensificado as ações motivacionais no trabalho diário que faz no comando do grupo. Além dos treinos no gramado, onde ele tem buscado corrigir as falhas responsáveis pelos últimos tropeços da onzena, o treinador tem conversado bastante com os seus comandados.

A mensagem passada pelo treinador parece estar sendo bem assimilada pelos atletas. Pelo menos no aspecto teórico, os jogadores têm mostrado otimismo quanto a volta por cima no campeonato, o que poderá, na prática, representar um chega pra lá no fantasma do rebaixamento à Série C de 2019. O volante Nando Carandina, um dos atletas mais lúcidos do time, acredita no efeito positivo do trabalho psicológico feito por Brigatti. “Ele tem nos passado o máximo de confiança e isso é bom para o grupo, levando em conta a necessidade que temos neste momento delicado”, disse.


O meia Alan Calbergue é outro que também aposta na eficácia das doses motivacionais ministrada pelo técnico ao grupo. “É muito importante ter essa motivação”, admite. “O Brigatti tem procurado não deixar que o nosso emocional seja atingido”, conta o meia. De acordo com o meio-campista, o Papão também não está contando com o fator sorte, visto que, na avaliação dele, o time tem jogado bem e merecido bons resultados, o que não aconteceu nos últimos jogos.

“Só está faltando um pouco mais de sorte. A bola não está querendo entrar. Vamos dez vezes ao ataque e o gol não acontece. O adversário vai lá uma vez e coloca a bola pra dentro”, lamenta Calbergue. Mas, no jogo contra o CRB-AL, amanhã, o meia confia que o azar será espantado de vez. “Vamos caprichar um pouco mais para que a vitória aconteça e a gente possa começar a sair dessa situação na qual nos encontramos”, declarou.

O zagueiro Diego Ivo confia, também, na superação da fase ruim vivida pelo Papão. “Da mesma forma que entramos nessa fase ruim, podemos sair dela”, diz o defensor. De acordo com o jogador, o grupo não perdeu a confiança. “Não estamos desacreditados. Estamos evoluindo a cada jogo, embora o resultado não esteja vindo”, avalia. O aspecto psicológico do grupo não tem sido abalado, principalmente pelo trabalho de Brigatti. “Ele tem nos incentivado e mostrado confiança no grupo”, argumenta.

  • (Nildo Lima/Diário do Pará)