Bruno Henrique está próximo de ir jogar no futebol chinês. O capitão do Palmeiras desperta o interesse do Tianjin Teda, clube asiático disposto a pagar a multa de rescisão do atleta com o Verdão, no valor de 6 milhões de euros (cerca de R$ R$ 25,8 milhões).

A Seleção Brasileira, sonho de Bruno Henrique e que poderia ser um impedimento para que o atleta deixasse o país não será levada em consideração. No entender do jogador e seu staff, o técnico Tite já conhece de perto o volante dos tempos de Corinthians, e as convocações recentes de Paulinho, Gil e Renato Augusto, que atuam na Ásia, animam o camisa 19 pela chance de ser lembrado mesmo jogando longe da terra natal.

Se for o desejo do atleta deixar o Palestra, portanto, não caberia sequer negociação com os chineses. A equipe estrangeira está disposta a seduzir o jogador com um salário de quase R$ 1,7 milhões mensais.


Bruno Henrique é peça fundamental no esquema de Felipão (Foto: Fernando Dantas/GazetaPress)

Bruno Henrique chegou ao Palmeiras como pedido do então técnico Cuca em junho de 2017 por 3,5 milhões de euros (à época, aproximadamente R$ 13 milhões) pagos ao Palermo, da Itália. Para assinar contrato com o Alviverde até 31 de maio de 2021, os empresários do jogador exigiram na ocasião uma multa considerada baixa para o mercado internacional.

Bruno Henrique soma 85 jogos e 18 gols pelo Maior Campeão do Brasil. Ele chegou ao clube com a desconfiança do torcedor e chegou a ser vaiado em alguns duelos no início da última temporada, mas se recuperou e foi peça fundamenta no decacampeonato brasileiro.

Se o negócio for concluído de forma positiva para os chineses, Bruno Henrique viveria sua segunda experiência internacional (o Palermo foi a primeira).

O post China cogita pagar multa e Seleção não seguraria Bruno Henrique no Palmeiras apareceu primeiro em Gazeta Esportiva.

Fonte: Gazeta Esportiva