Por mais que descartem qualquer crise, os jogadores do Cube do Remo sabem que o momento é delicado no Baenão. A troca no comando técnico e as constantes especulações sobre contratações comprovam o abalo após eliminação na Copa do Brasil e derrota no clássico Re-Pa, além das seguidas apresentações medíocres em campo, mesmo com o resultado positivo ao final das partidas. Dessa maneira, o período de carnaval não poderia ser melhor para que o grupo entenda o quanto antes a didática de Márcio Fernandes, novo treinador.

Prestes a completar uma semana na função, o comandante reiterou que a mudança, mesmo que encarada como negativa, sempre traz um lado benéfico, a começar pela disputa sadia dos profissionais por uma vaga no time principal. Apesar de não correr esse risco, o goleiro Vinícius assinou embaixo e visualiza com bons olhos os próximos dias que irão anteceder o confronto pelo Parazão, contra o Tapajós, na quinta-feira (7) à noite. “A disputa ganha uma motivação a mais. Todos estão querendo mostrar que querem ser titulares. É uma briga muito boa até para que o time possa crescer e evoluir. Temos jogadores de boa qualidade e a mudança vai servir até para trabalharmos mais, para nós mesmos”, disse o arqueiro azulino.

Ciente de que isso pode provocar uma guinada em campo e, com consequências, na tabela, Vinícius espera que o conjunto dos fatores possa resultar em uma classificação tranquila e antecipada ao mata-mata do Estadual. “Dificuldades nós sempre vamos ter. Do outro lado tem um time forte também. Passamos por dificuldades no primeiro jogo (Tapajós) e nesse returno é buscar fazer um grande jogo lá em Santarém, para que a gente possa classificar o mais rápido possível e encaminhe o título. Passo a passo, mas estamos focados nisso”, completou.


Exceto pelo camisa 1, única unanimidade do plantel, o restante dos profissionais que tem atuado na onzena titular sabe que tudo pode mudar a depender da escolha do novo professor. Contudo, nesse momento de transição, os jogadores acreditam que o principal é colocar o Leão no trilho antes de qualquer definição quanto ao time titular. “É coisa nova, trabalho novo e buscar assimilar tudo para melhorar em campo”, disse.

Quanto à manutenção na titularidade, Tiago Félix destacou que deixa a situação na mão do comandante, mas garantiu que está na ponta dos cascos para servir de apoio pelo lado esquerdo. “A gente cria muito mais (expectativa) do que qualquer pessoa, porque a gente vive e acorda já pensando no que vai acontecer. A gente trabalha forte para estar preparado pra quando ele (técnico) optar”, comentou.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)