Foram várias temporadas longe de disputar o Campeonato Brasileiro e agora, a Tuna Luso Brasileira ressurge no cenário nacional e volta para a competição onde já foi duas vezes campeã querendo buscas dias melhores.

O trabalho na Vila Olímpica que começou em 2017 rendeu frutos em 2021 e isso foi possível graças ao departamento de futebol da Tuna, que tem dois torcedores cruzmaltinos no comando: Éder Pisco e Vinicius Pacheco, uma dupla de sucesso fora das quatro linhas no Souza.

O dirigente destaca o crescimento da Tuna nos últimos anos e a sensação do dever cumprido de recolocar a equipe cruz-de-malta entre os representantes do Pará na quarta divisão do ano que vem.


“É uma sensação especial. Sou tunante e é um orgulho grande de dever cumprido. A gente aprende a cada ano desde 2017 quando trabalhamos no futebol. Fizemos um bom trabalho e uma hora sabia que ia dar certo”, destaca.

Ao lado de Pacheco, o dirigente conseguiu trabalhar o elenco da Lusa após Graciete Maués se tornar presidente do clube. A equipe acreditou no trabalho do técnico Robson Melo, que foi bastante elogiado pelo dirigente.

“Eu e o Vinicius (Pacheco) estamos juntos desde 2017. Depois veio a presidente Graciete e por fim o Robson Melo. É um treinador jovem e excepcional. Tem grande futuro no futebol”, acredita.

Para o clássico contra o Remo, Pisco revela que a disputa é especial, por se tornar cruzmaltino mesmo com o pai sendo torcedor do time remista.

“Meu pai é remista e nunca me pressionou. Fiz a escolha pela Tuna após meu tio me levar a vários jogos no Souza e acabei me apaixonando”, diz.

Classificado as semifinais e com a vaga na Série D, a Lusa vai reencontrar o Clube do Remo, cujo primeiro jogo será no domingo (9), às 10h da manhã, no Souza.

(DOL)