Marciel Manão afirma que vai pedir uma nova eleição no Pinheirense depois de ter chapa de oposição impugnada 

Cerca de cem sócios participaram da assembleia geral para eleição da nova presidência do Pinheirense Esporte Clube, na noite de ontem, na sede da agremiação, em Icoaraci, distrito de Belém. Contudo, os eleitores não puderam votar e a atual diretoria, que está comandando o clube desde o final do ano passado, quando assumiu após o ex-presidente ter sido destituído do cargo, foi aclamada vencedora.

 De acordo com o secretário geral da assembleia, José Feio, a chapa 2, “O General Voltou”, do candidato Marciel Manão, foi impugnada porque não cumpriu o recadastramento necessário para se candidatar. “O recadastramento dos associados era a condição principal para participar e concorrer às eleições”, ponderou o secretário.


 RECURSO

 Para o candidato da chapa 2, Marciel Manão, a impugnação foi injusta diante dos projetos que a oposição tinha para o futuro do clube. “A situação sabia que nós poderíamos ganhar e por isso fez de forma arbitrária com que a nossa chapa fosse indeferida, o que é uma lástima, porque 80% das pessoas que estão aqui iam votar na gente, porque sabem que o Pinheirense precisa de uma mudança urgente”, destacou Manão, dizendo ainda que vai recorrer da decisão da assembleia.

 “Já consultei os advogados e vamos tirar essas pessoas que querem se apossar do Pinheirense e não querem deixar o povo cumprir o seu direito de exercer o seu voto. Vamos pedir uma nova eleição”, ressaltou Manão.

 O associado Miguel Sampaio saiu da assembleia indignado por não conseguir exercer o seu direito de voto. “Eu acreditava que nós poderíamos sair daqui com perspectiva de novas mudanças, mas infelizmente não aconteceu”, lamentou.

 CHAPA 1

 Paulo Luz, candidato da Chapa 1, aclamado presidente do Pinheirense Esporte Clube, falou sobre o próximo mandato e evitou comentar a impugnação da outra chapa concorrente. “Vamos procurar recursos para o Pinheirense”, prometeu.

(K.L. Carvalho/Diário do Pará)