8 horas entre ser convocado e chegar ao destino onde a Seleção Brasileira está treinando para dois amistosos, um no sábado e outro na terça-feira. Fagner, do Corinthians, pegou um avião de São Paulo até o Porto, em Portugal, e disse que todo o esforço para vestir a amarelinha é pertinente.

“Acho que vale a pena. Estou muito feliz de vestir a camisa da Seleção de novo, então todo esforço é válido. Ainda bem que deu para chegar bem cedo e agora vou esticar as pernas um pouco no quarto para poder estar o quanto antes no campo, já ambientalizar com todo mundo e poder treinar”, disse o lateral à CBF assim que chegou ao hotel onde a Seleção está hospedada.

“Primeiro estou feliz de poder estar retornando. Foi tudo muito corrido, recebi a notícia um pouco antes do começo do treino lá no clube e aí começou a correria. Liga para a esposa, pede para arrumar as coisas, então foi tudo cronometrado, horário do almoço, horário da saída, horário da chegada no aeroporto para que tudo desse certo e eu pudesse estar aqui o quanto antes”, concluiu. Além dele, Everton, do Grêmio, também desembarcou nesta terça-feira.


 

Fagner, assim como na Copa do Mundo, herdou o lugar de Daniel Alves, que desta vez se machucou durante a vitória do Paris Saint-Germain diante do Olympique de Marselha, no último domingo. O departamento médico da Seleção recebeu seus exames e ele, então, foi cortado mais uma vez. Esta seria sua volta depois de um ano.

Já o lateral corintiano perderá três jogos do Campeonato Paulista por conta dos dois amistosos, um ainda pela primeira fase e dois pelo mata-mata das quartas de final contra a Ferroviária. Os jogos da Seleção serão contra o Panamá, no próximo sábado, e contra a República Tcheca, na terça-feira.

Fonte: Gazeta Esportiva