A velha máxima que “atacante vive de gols” pode não se aplicar bem na prática, onde a função tática tem sido muito levada em conta, mas na cabeça do torcedor é um fato incontestável. O centroavante azulino Luiz Eduardo, contratado para ser o homem gol do time, até aqui, ainda não conseguiu deslanchar, tendo marcado apenas 1 gol, contra o Fortaleza. A marca vem incomodando o atleta.

“Tenho buscado fazer. Todo jogo entro para contribuir, marcando ou ajudando a marcar. O torcedor ainda não me viu marcar em casa. Acho que a nossa equipe está se encontrando dentro de casa e quem sabe nessas próximas partidas eu consiga fazer gols?” espera o avante azulino, titular desde o jogo contra o Sampaio Corrêa, na 9ª rodada.

Apesar da cobrança individual, Luiz Eduardo afirma que entende que o jogo é coletivo e que os gols são resultado do trabalho em equipe. “Não tem essa coisa do ‘eu faço’. Na Série C, os jogos são complicados, de marcação intensa, assim como será contra o Confiança”, comenta. O centroavante azulino reitera a necessidade de respeito com o rival desse domingo. “É uma equipe que marca muito forte e tem nosso respeito. Não está passando bom momento, mas já vimos dois exemplos de times que não estavam bem e venceram três jogos seguidos”, explica.

BANCO DE GOLS AZULINO


Com uma artilharia que não empolga, o Remo chama atenção por ter seus maiores artilheiros no banco. Enquanto Pimentinha e Luiz Eduardo, juntos, marcaram apenas 1 gol, os reservas Jayme, Flamel e Gabriel Lima, somando todas as competições, marcaram 14 na temporada. Confira a seguir a artilharia azulina na temporada.

Léo muda time, mas a identidade segue igual

Quatro jogos de Léo Goiano, quatro escalações diferentes do Remo em campo. Olhando de fora, nem parece.

Do jogo do Fortaleza para o duelo contra o Asa, França ganhou de Tsunami vaga no meio campo e Igor João substituiu o suspenso Leandro Silva. No jogo contra o Cuiabá, Leandro retornou e no meio campo João Paulo substituiu o suspenso Ilaílson. Contra o Confiança, uma mudança é certa – Jaquinha, lesionado, dá lugar a Gerson.

“Muitas das vezes mudamos as peças mas não mudamos a identidade. Muitas vezes é assim, temos uma maneira de jogar muito eficiente, consistente e objetiva quando tem a posse da bola”, comenta o treinador. Sobre a possibilidade de mais mudanças para esse jogo de amanhã, contra o Confiança, às 18h, no Mangueirão, pela Série C, Léo avalia que são improváveis.

Com um adversário que não vence há 10 rodadas, Léo Goiano prefere a cautela nas avaliações pré-jogo. “É um adversário que empatou com o CSA em Alagoas, com o Fortaleza em Fortaleza. Na Série C não tem jogo fácil”, filosofa o técnico.

(Taion Almeida)