Depois de ter despachado o Fast Club-AM, em Brasília, na estreia da Copa Verde, o Independente de Tucuruí tem, hoje, uma nova missão no torneio e, mais uma vez, longe de seu “terreiro”. O Galo Elétrico enfrenta o Rio Branco-AC, a partir das 18h, na Arena Acreana, em Rio Branco, capital do Acre, valendo pelas oitavas de final da competição. A partida marca a estreia do Estrelão no torneio, que garante ao seu campeão vaga na terceira fase da Copa do Brasil, com aproximadamente R$ 2 milhões de cota paga pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O técnico Sinomar Naves e seus comandados deixaram a Terra da Energia com destino ao Acre, confiantes de que podem voltar de lá com a permanência na CV, na qual o Galo tem a companhia de Clube do Remo e Paysandu, os dois outros representantes do Estado no torneio. O treinador quer aproveitar o embalo da boa participação de sua equipe no jogo em Brasília, para manter “a brasa” acesa. A fim de evitar o desgaste dos atletas e algum tipo de atropelo, a delegação do Galo viajou já no domingo para o local da partida.


Naves, antes do embarque do time, lamentou a falta de um tempo maior para preparar a sua equipe. “Infelizmente, mais uma vez, não tivemos o tempo adequado para uma boa preparação. Mas de qualquer forma estamos confiantes numa boa apresentação”, disse. O treinador espera que diante do Rio Branco o Galo volte a mostrar o bom futebol apresentado na estreia no torneio. Para aproveitar bem o tempo, na última segunda, o treinador ministrou uma atividade ao grupo de jogadores em Brasília, onde a delegação passou algumas horas. Ontem a programação de preparação foi encerrada já na capital acreana.

Naves, que não tem desfalques em sua equipe, contou que colheu informações sobre o adversário. “É uma equipe que, assim como a nossa, está em formação”, disse. Passando pelo Estrelão, o Galo terá, na fase seguinte da competição, as quartas de final, Clube do Remo ou Gama-DF, que também se enfrentam hoje. O confronto na capital acreana terá a direção de Rafael Odilio Ramos dos Santos, do Mato Grosso, auxiliado por seus conterrâneos Rodolfo Campos Ortiz Leite e Fernanda Kruger

(Diário do Pará)