É não se incomodar com as críticas pelo fato de ainda não ter balançado as redes na Copa do Mundo. Nesta quarta-feira, contra a Sérvia, o camisa 9 mais uma vez passou em branco, contudo, mostrou bastante tranquilidade após a vitória do time canarinho por 2 a 0 e, consequentemente, a classificação às oitavas de final do torneio.

“Sem ansiedade nenhuma. Estou focado. Lógico que você, vestindo a camisa da Seleção, uma camisa de peso, vai ser cobrado por gols, mas acredito que eu venho fazendo boas partidas, tirando a primeira [contra a Suíça]. Acho que a primeira partida é normal, de estreia, mas venho, claro, querendo ajudar com gols. Quando não sair a oportunidade para eu fazer gols, vou ajudar da melhor maneira”, disse o atacante do Manchester City.

 


Embora ainda não tenha balançado as redes, Gabriel Jesus vem se mostrando extremamente importante na fase defensiva da equipe. É o camisa 9 que pressiona a saída de bola dos zagueiros e, bastante combativo, incomodou consideravelmente os defensores rivais nesta fase de grupos. Justamente por isso, o técnico Tite não faz planos em removê-lo do time titular.

“Muitas pessoas não observam isso. Não tenho que ficar falando o que faço ou deixo de fazer taticamente. Desde o Palmeiras sou um atleta taticamente bom. Hoje o professor [Tite] pediu para eu preencher a lateral esquerda enquanto o Filipe Luís não entrava. Recomponho com meus companheiros. Acho que assim, um ajudando o outro, as coisas acontecem naturalmente”, prosseguiu.

“Sei lidar bem com isso, ainda bem, porque cobranças e questionamentos sempre vão existir. Espero que a gente vença os jogos, comigo fazendo gols ou não. Vou ficar feliz da mesma maneira”, completou.

Por fim, o jogador mais novo do elenco comentou sobre o próximo compromisso da Seleção Brasileira, marcado para a próxima segunda-feira, contra o México, válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

“A Copa está provando o que é o futebol, não há adversário fácil, não temos que ficar escolhendo. Vamos enfrentar o México assim como iríamos enfrentar a Alemanha, Suécia ou Coreia do Sul. Temos que bater de frente, somos o Brasil, ainda somos o país do futebol”, concluiu.

 

Fonte: Gazeta Esportiva