Nesta sexta-feira, Lionel Messi ganhou sua quarta Chuteira de Ouro, prêmio promovido pela European Sports Media se tornando o maior vencedor do troféu ao lado de Cristiano Ronaldo. O craque foi agraciado através de uma cerimônia em uma casa de eventos, em Barcelona, onde também concedeu uma coletiva de imprensa e comentou sobre diversos assuntos.

Uma das pautas da conversa foi momento atual do Barça, assim como o momento vivido por alguns de seus companheiros, sobretudo, o zagueiro Samuel Umtiti e o meia Arda Turan.

Com relação ao primeiro, o camisa 10 admitiu que não o conhecia quando chegou ao Camp Nou, mas que hoje em dia é só elogios. “Umtiti treina como joga, não se resguarda nunca. Nem em partidas, nem em treinamentos. É uma excelente pessoa fora de campo e um grande rapaz. Ao vê-lo treinar, não me surpreende o que faz nos jogos. Vejo as qualidades que tem, logo, já não me surpreende dentro de campo”, contou.


O argentino também saiu em defesa de Arda Turan, justificando o fato de que o companheiro, em sua terceira temporada pelos grenás, ainda não obteve o rendimento esperado. O turco não está sendo aproveitado pelo técnico Ernesto Valverde e deve deixar o clube em janeiro, quando abre a janela invernal de transferências do futebol europeu.

“Arda tem muita qualidade, é um jogador extraordinário. Teve a má sorte de não ter gozado da confiança e da sequência que qualquer jogador necessita para poder render em um time. Veio do Atlético de Madrid, onde atuava em uma posição diferente da que exerce aqui. Além do que, jogava todo domingo. Jogar todo final de semana não é a mesma coisa do que jogar de vez em quando. É muito mais complicado e por isso ele não pôde se soltar aqui. As vezes em que teve oportunidade e um pouco de continuidade, foi muito bem”, apontou.

Messi, porém, evitou falar sobre sua renovação de contrato, que era motivo de muitas especulações por parte da imprensa espanhola. No entanto, o clube catalão anunciou neste sábado que chegou a um novo acordo com o camisa 10, em um vínculo que durará até junho de 2021, com uma multa rescisória avaliada em 700 milhões de euros. Desta forma, o argentino, que foi revelado pelo Barça em 2004, há de completar 17 temporadas no Camp Nou. O novo acordo é motivo de frustração para os mais fanáticos pelo craque e pelo time blaugrano, uma vez que rumores apontavam para um contrato vitalício com o jogador, algo que não ocorreu.

Fonte: Gazeta Esportiva