Este ano, Guilherme Alves comandou a Portuguesa-SP, no Paulistão A2, pelo qual disputou 8 partidas, a última delas em meados de fevereiro, contra o Osasco Audax. De lá pra cá, o novo treinador do Paysandu vinha sem clube, aguardando por convite, o que acabou se concretizando com a proposta do Papão.

Apesar de estar desempregado, o técnico, conforme informou, vinha acompanhando o andamento do futebol brasileiro. “Eu trabalho há anos estudando, me atualizando e treinando times. O principal é que me sinto em condições e com uma vontade enorme de trabalhar”, declarou o treinador.

Guilherme informou que até recebeu convites de outros clubes, mas que, naquele momento, preferiu se atualizar, se submetendo a cursos de aprimoramento. “Existem momentos em que você precisa pensar na sua carreira, para não virar figurinha carimbada, pousando de galho em galho, simplesmente para não ficar em casa. Isso aconteceu nos últimos dois anos. Eu planejo minha carreira e resolvi apostar em situações que pudessem me proporcionar condições de trabalho e não simplesmente ir para estar empregado”, salientou.

Durante sua apresentação ao elenco bicolor, o treinador já deverá passar aos seus novos comandados alguma coisa sobre a sua maneira de trabalhar. O treinador também conhecerá os seus novos assistentes, entre ele o auxiliar Ailton Silva, que deverá ser a principal referência do treinador no colhimento das características dos atletas do clube. A diretoria alviceleste ainda não informou se o preparador Fred Pozzebon, que trabalhava com Dado, permanecerá na Curuzu ou se será substituído.


Mudanças só após conversa com direção

Após assumir o comando do Paysandu, hoje, e avaliar o elenco que receberá, o técnico Guilherme Alves deverá começar a tratar em conversações, com os dirigentes, sobre a liberação e contratação de atletas para o grupo. Pelo menos foi o que informou o presidente Tony Couceiro, por ocasião do anúncio da saída de Dado. O dirigente ressaltou que o clube já vinha tratando de aquisições antes mesmo de o ex-técnico ter sua saída anunciada.

“A gente tem algumas conversações e sempre está aí, em compasso de espera, porque afinal de contas, hoje, com o dólar alto, o jogador prefere sair”, comentou Couceiro. Ele observou, quando questionado, que é sempre um risco fazer contratações, justificando o fato de alguns atletas não darem certo. “A gente contrata jogador pelo o que ele fez, a gente não sabe o que ele vai fazer”, lembrou o presidente, que destacou que a ideia é minimizar ao máximo possível os erros.

“A gente tenta diminuir o erro, então é um risco o tempo todo. Contratar jogador é sempre difícil. A não ser que você tenha muito dinheiro e contrate o Cristiano Ronaldo ou Neymar, que aí você já sabe o que ele vai fazer”, ironizou. Especula-se nos bastidores do clube que pelo menos três jogadores estariam em negociações com a diretoria. Seriam dois atacantes e um jogador de defesa. Mas, a informação não é confirmada pela diretoria.

Uma semana para organizar a bagunça

A estreia de Guilherme Alves no comando técnico do Paysandu se dará no sábado (21), contra o Oeste-SP, pela 16ª rodada da Série B do Brasileiro. A partida, marcada para às 19 horas, se dará em um local bastante familiar ao treinador: a Arena Barueri, na cidade de Barueri, em São Paulo. O novo treinador do Papão não tem motivos para se queixar da falta de tempo para conhecer o grupo que receberá e de montar, com esses jogadores, a formação para buscar a reabilitação na competição, na qual os bicolores não vencem há sete rodadas.

A última vitória do Papão foi diante do Boa Esporte-MG, pela 8ª rodada da Segundona. Nos últimos três jogos, a equipe só obteve uma vitória, retrospecto que Guilherme tem a obrigação de superar. E já para o jogo de sua estreia, o treinador não poderá contar com o volante Renato Augusto, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Como ele ainda terá uma semana para trabalhar, é possível que possa dispor do atacante Magno entregue ao Departamento de Saúde.

(Nildo Lima/Diário do Pará)