Depois de comunicado o desligamento do, agora, ex-presidente Sérgio Serra, com a leitura da carta renúncia feita pelo presidente do Conselho Deliberativo do clube, Paulo Maciel, o novo presidente Tony Couceiro, 46 anos, falou sobre a decisão tomada pelo ex-dirigente máximo do clube. “Ele nos fez o comunicado na segunda-feira (3). Tentamos demovê-lo da ideia, mas ele achou melhor sair”, contou Couceiro.

O novo presidente lamentou a saída de Serra, de quem se disse “amigo particular”. “O Paysandu todo está muito triste com essa notícia”, afirmou. Ele ressaltou que há anos o clube não convivia com situação como essa. “Acho que tivemos uns 20 anos sem que houvesse renúncia no Paysandu”, salientou. Tony lamentou o fato de o ex-presidente ter sido vítima de violência por parte de simpatizantes do clube.

“Não podemos concordar com uma agressão como essa. Vamos tomar, aliás já estamos tomando todas as providências necessárias”, declarou. O dirigente comentou o fato de assumir o cargo para o qual era indicado pelo grupo Novos Rumos com vistas ao pleito do final de 2018. “Não gostaria de estar assumindo nessas condições, na renúncia de um amigo meu. O Serra não é meu amigo do Paysandu é meu amigo desde criança”, ressaltou.


HISTÓRICO

– Empossado no dia 17 de janeiro, após ser eleito como candidato único, em dezembro de 2016, Sérgio Serra acumulava quatro anos como dirigente do Papão, tendo sido o vice-presidente nas gestões de Vandick Lima (2013/2014) e Alberto Maia (2015/2016). O mandato do, agora, ex-presidente, se encerraria em janeiro de 2018, quando ele passaria o comando da agremiação ao seu sucessor.

– A última vez em que um presidente do Paysandu não chegou ao fim de seu mandato aconteceu há 9 anos, quando, por problemas de doença, que acabaram o levando à morte, em São Paulo, o bicheiro Miguel Alexandre Pinho, acabou sendo substituído pelo diretor de futebol Luiz Omar Pinheiro. Pelos estatutos do clube, o vice, na época, Leonam Cruz, seria o sucessor de Pinho, contudo, ele acabou não concordando em ocupar a cadeira presidencial, dando vez a Luiz Omar.

– Após cumprir o restante do mandato de Pinho, Luiz Omar ainda esteve à frente do clube por mais dois mandatos, no período de 2009 a 2012, quando foi sucedido pelo ex-presidente Vandick Lima, integrante do Grupo Novos Rumos, o mesmo de Serra. Vandick ficou por dois anos no cargo, passando a faixa presidencial a Alberto Maia, que também concluiu o seu mandato. Ambos os presidentes tiveram como vice Sérgio Serra.

(Nildo Lima/Diário do Pará)