“Eye of the tiger” é uma canção da banda americana Survivor, lançada na década de 1980 e que se tornou mundialmente conhecida por ser trilha sonora da série de filmes do boxeador Rocky Balboa. Traduzindo, o nome da música significa “Olhos de tigre” e, com o mesmo teor representativo do pugilista no cinema, caracterizado pela garra, resistência e paixão com o seu esporte, o treinador do Clube do Remo, Márcio Fernandes, que foi formalmente apresentado ontem à noite, no estádio Baenão, utilizou da frase para repassar seus ideais à frente da comissão técnica remista.

“O ser humano é muito estranho, porque às vezes muda o comportamento por uma simples troca. Precisamos manter espírito sempre: disputa, correria. Sempre com o ‘olho de tigre’, querendo mais, buscando mais. Passei isso para eles com a conversa e que é uma realidade nos meus trabalhos”, ponderou, referente à sua primeira impressão do grupo.

Contratado pelo retrospectivo positivo na Série C, por onde foi campeão em 2015, com o Vila Nova-GO, além do seu trabalho na base do Santos-SP, o novo professor azulino destacou que a sua experiência no futebol é expressiva para conter qualquer tipo de adversidade que o Remo esteja passando, embora assuma a equipe na liderança do Estadual. “Venho para o Remo, realmente, com muita vontade de fazer acontecer uma coisa que o clube está sedento, que é subir de divisão, para um setor maior. Quando a gente tem vontade, acredita, as chances são maiores”, destacou.


Márcio Fernandes ainda reiterou o fato de poder fazer uma boa transição com o antigo treinador Netão, que ainda segue como funcionário da instituição, agora como coordenador-técnico. “Se ele esteve no time até agora, o conhecimento que ele tem é muito maior que o meu que estou chegando, então, é claro que vou colocar em prática muita experiência que eu aprendi no futebol, mas ele pode me ajudar e muito, claro que vai ter essa conversa. A gente sempre pode melhorar, e sei que é um bom profissional e que pode, sim, trabalhar comigo”, adiantou.

E MAIS…

– O próximo compromisso oficial do Remo será só no dia 7 de março, contra o Tapajós, em Santarém. Por isso, além das mudanças naturais que a equipe sofrerá em virtude da chegada do treinador Márcio Fernandes, o tempo será determinante quanto à recuperação de atletas que estão em recuperação de lesão. Exceto pelo zagueiro Mimica, descartado para o Paraense, o Leão, hoje, possui nessa situação os volantes Robson e Vacaria, além de Fredson, que ainda não está 100%.

– Para o goleiro Vinícius, a possibilidade de contar com a maioria das peças no elenco é vital. “Nos últimos jogos a gente não conseguiu contar com a reposição. Era por expulsão, ou lesão, e isso atrapalha um planejamento. A gente espera uma boa recuperação de todos e voltar mais forte e com um time competitivo para vencer as partidas”, apontou o arqueiro.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)