O Paysandu enfrenta, hoje, o Vila Nova-GO, a partir das 20h30, na Curuzu, com o objetivo de consolidar a sua permanência na Série B do Brasileiro. O Papão entra em campo para o jogo da 33ª rodada com bem mais que meio caminho percorrido rumo a sua principal pretensão no campeonato. Mas, para seguir respirando aliviado, o Papão tem alguns obstáculos a superar no confronto. Um deles é o de quebrar o tabu de ainda não ter conseguido duas vitórias consecutivas na competição jogando em Belém, o que já foi tentado por três vezes pelo time, sem sucesso. O outro é suplantar a sólida defesa do visitante goiano.

Os bicolores entram em campo ocupando a 11ª colocação na classificação, mas podem saltar para a 9ª posição, caso, claro, venham a derrotar o Vila, que “namora” com o G4, ocupando a 6ª casa na tabela de pontuação, com 51 pontos. Passando pelo adversário goiano, o Papão chegará a 44 pontos, desbancando o Goiás-GO, que soma um ponto a menos, na 9ª colocação. O vento já começou a soprar favorável na rodada ao representante do Norte, quando na última terça-feira, em Goiânia, o mesmo Goiás não foi além de um empate com o Criciúma-SC, resultado que caiu como uma luva para os bicolores.

Depois de ver os concorrentes darem uma “mãozinha”, agora é a vez de o próprio Paysandu se ajudar, dando sequência aos resultados positivos diante de sua torcida, após ter batido o Criciúma, por 1 a 0, na rodada passada, também na Curuzu. A equipe do técnico Marquinhos Santos, no entanto, enfrentará o Tigre, como é apelidado o Vila, “vacinada” contra o poderia da defesa inimiga, uma das menos vazadas do campeonato, com 24 gols, marca superada apenas pelo Internacional-RS, que viu sua rede balançar até aqui por 23 vezes.


O Papão tem a seu favor o fator torcida, que Marquinhos e seus comandados esperam ver em peso no estádio. A ideia é ter na Curuzu uma espécie de “panela de pressão”, que seja sentida pelo visitante, como foi diante do Criciúma, principalmente no primeiro tempo, quando o time construiu a vitória pelo escore mínimo.

GOIANOS MIRAM NO G4

–  Praticamente batendo à porta do G4, o Vila Nova espera que a entrada comece a se abrir na partida contra o Papão. Mesmo vencendo, a equipe goiana ainda não voltará a figurar no “pelotão” de frente da Série B do Brasileiro, já que o time soma 51 pontos, cinco a menos que o Paraná-PR, último colocado da zona de classificação, e quatro a menos que o Oeste-SP, este quinto colocação. Mas, ao menos, a equipe se manteria viva na briga por um espaço na zona privilegiada do campeonato. Tanto o técnico Hemerson Maria como os jogadores não perdem o otimismo no acesso à Série A de 2018.

– “Ainda temos seis jogos pela frente e se conseguirmos transformar nosso bom rendimento em resultados, teremos boas chances de brigar pelo acesso”, analisa o técnico. Entre os jogadores o pensamento também é positivo, conforme evidencia o volante Geovane. “Acho que oscilamos no momento errado, mas ainda há tempo, ainda tem jogos pela frente e sabemos da nossa capacidade e que temos condições de fazer uma sequência de vitórias”, confia.

(Nildo Lima/Diário do Pará)