A principal preocupação do técnico João Brigatti na preparação do Paysandu para o confronto de sábado (20), contra o Fortaleza-CE, na capital cearense, tem sido, com toda a razão, um melhor aproveitamento do setor de ataque do time. Nos últimos jogos, a equipe bicolor até que criou oportunidades, mas na hora “H”, como se diz, os jogadores responsáveis em mandar a bola para a rede acabaram falhando.

  • O ataque tem sido a principal dor de cabeça de Brigatti, assim como foi para os técnicos Marquinhos Santos, Dado Cavalcanti e Guilherme Alves, que antecederam o atual treinador bicolor. Desde a saída de Cassiano, que se transferiu para o futebol da China, que o Papão carece de um “matador” jurado e sacramentado. O ex-ídolo da Fiel, que atuou pela última vez pelo Papão no dia 16 de junho, enfrentando o CSA-AL, permanece como o principal artilheiro do Papão na Série B, com 6 gols. Ele também lidera a artilharia geral do time na temporada, com 20 bolas na rede em 30 partidas disputadas pelo clube.

QUEM FAZ GOLS

Quem mais se aproxima de Cassiano, na contagem de gols da Segundona, são o meia Thomaz e o atacante Hugo Almeida, cada um com 4 gols. Os demais atacantes do elenco bicolor com tentos no Brasileiro são Mike, com 3, Dionathã, que já deixou o clube e Magno, com um gol cada. Os zagueiros Diego Ivo e Perema, que têm como principal função evitar bola na rede dos adversários, possuem dois gols, o que mostra a deficiência do ataque bicolor.


DECEPÇÃO

O caso de Moisés é outro ponto que conspira contra o fraco aproveitamento do setor ofensivo do Papão. O atacante, que chegou à Curuzu com credencial de artilheiro, em 35 partidas pelo clube não conseguiu balançar a rede uma só vez. Por conta do baixo índice de aproveitamento, o atleta acabou tendo o seu contrato rescindido. Com tamanha deficiência ofensiva, a equipe bicolor tem um dos piores aproveitamentos em gols marcados no campeonato, com 30 tentos, contra 44 do Fortaleza, líder da disputa, e 41 do CSA-AL, que é o último colocado no G4.

Por isso, não surpreende a atenção dada por Brigatti aos treinamentos dos atacantes do time. O treinador tem procurado aproveitar o longo tempo de preparação para o jogo contra o Tricolor para cobrar um melhor aproveitamento dos jogadores do setor. O técnico tem ensaiado jogadas de ataque, com os laterais se revezando nos cruzamentos da bola na área para a cabeçada e chute dos atacantes. Brigatti também tem exigido um maior poder de criação do meio de campo do time.

NÚMEROS

30 gols – marcados é o aproveitamento do Paysandu na Série B.
44 gols – marcados é o aproveitamento do Fortaleza na competição nacional.

(Nildo Lima/Diario do Pará)