A derrota, por 2 a 0, diante do Londrina-PR, no último sábado (21), reacendeu a luz de alerta no Paysandu e, ao mesmo tempo, impôs a necessidade do time fazer a indispensável lição de casa nos jogos que fará na sexta-feira (27) e na sexta seguinte (3 de novembro), contra o Criciúma-SC e Vila Nova-GO, pela 32ª e 33ª rodadas da Série B do Brasileiro, respectivamente. Os bicolores precisam matar dois Tigres, alcunha dos adversários, sob pena do fantasma do rebaixamento à Série C de 2018 voltar a rondar a Curuzu, atormentando não só o elenco, mas principalmente o torcedor do time listrado.

O técnico Marquinhos Santos e os atacantes da equipe deixaram o Paraná e desembarcaram, ontem à tarde, em Belém, conscientes de que não podem sequer pensar em empates nos dois próximos jogos. O primeiro deles, contra o Criciúma, já confirmado para a Curuzu, enquanto o confronto com o Vila deverá ser remanejado, também, do Mangueirão para o “Caldeirão” bicolor. Ainda na saída de campo, no estádio do Café, em Londrina, os jogadores do Papão admitiram que serão dois jogos decisivos para a permanência do Papão na Segundona.

“Precisamos matar esses dois jogos, em casa, com duas vitórias, para chegarmos a uma pontuação com segurança e, depois, sairmos para os jogos fora”, sentenciou Marquinhos. “Agora temos dois jogos importantes, nos quais temos de fazer o nosso dever de casa”, repetiu o zagueiro Perema. “São duas decisões para o nosso time e o nível de concentração tem de estar lá em cima”, disse Augusto Recife.

O JOGO


O desejo do time do Paysandu de retornar a Belém trazendo ao menos quatro pontos das duas partidas disputadas fora de casa, contra o Luverdense-MT e Londrina-PR, foi por água abaixo após a derrota, para o Londrina. Com o revés, o Papão despencou da 12ª para a 13ª colocação, com 38 pontos, na classificação da Série B do Brasileiro, aumentando as chances do time cair para a Série C de 2018. Já o Tubarão consolidou sua manutenção na competição, alimentando, ainda, as chances de acesso ao G4 do campeonato.

A estratégia do técnico Marquinhos Santos era segurar o rápido ataque do Londrina e sair para o jogo no contra-golpe. Contudo, Negueba fez o plano cair por terra logo aos 2 minutos de jogo, quando aproveitou a falha da zaga bicolor para fazer Tubarão 1 a 0. O Papão até tentou reagir, mas parou nas defesas do goleiro César. Aos 13, em mais uma jogada de velocidade, Carlos Henrique completou de primeira belo passe de Artur, 2 a 0.

Na etapa final, o Papão voltou mais ofensivo. O Londrina procurou gerenciar o placar, que poderia ter sido ampliado depois que Ayrton cometeu pênalti aos 15. O lateral empurrou por trás um adversário dentro da área. Na cobrança, Germano mandou na trave. O placar se manteve.

Time volta para casa sem a recepção de torcedores

A delegação do Paysandu retornou na tarde de ontem para Belém e, desta vez, não contou com a recepção de torcedores no hall do aeroporto. O avião que trouxe o time pousou às 16h e o desembarque dos diretores e jogadores foi tranquilo. Sem registro de tumultos.

Havia uma preocupação, por parte da diretoria, que com a derrota do papão para o Londrina a torcida pudesse promover alguma manifestação. Seguranças particulares foram disponibilizados pelo clube para fazer a escolta dos jogadores, inclusive.

(Nildo Lima e Denilson d’Almeida/Diário do Pará)