Se os “raios” têm fama de caírem muito mais do que apenas uma vez na Vila Belmiro, o mesmo parece valer para outro grupo no Santos: o de camisas 10 nascidos no estado do Pará. Depois de Giovanni e Ganso deixarem o estado e marcarem seus nomes na história do Peixe, outro meia começa a trilhar o mesmo caminho: Kevin Malthus

O jovem de 17 anos nasceu em Belém e começou a jogar aos 5 anos no futsal da Tuna Luso brasileira, por onde também passaram os dois jogadores que fizeram sucesso no Santos. Ambos são referências para Malthus.

“Tenho os dois como ídolos e inspiração. Antes de jogos, ou até mesmo em casa, vejo vídeos buscando as melhores jogadas, de ‘genialidade’ de ambos para tentar performar igual ou até melhor dentro de campo”, disse o meia em entrevista ao UOL.


Versátil dentro de campo, já atuou em várias posições, de zagueiro a falso 9. No entanto, o meio-campo é sua posição de origem e ele considera seu estilo de jogo parecido com o de seus conterrâneos. 

Não é só Kevin que tem destaque no esporte na família. Desde quando moravam no Acre, os irmãos Kemille Mayse, de 15 anos, e Keelmer Matheus, de 13, também já levavam a sério os esportes. Kemille e Keelmer conquistaram títulos regionais e estaduais em esportes: ela no judô, com a Associação Rogério Sampaio, e ele na natação, com a Unisanta. Kemille também joga vôlei pelo Clube Internacional de Regatas. O sonho é disputar uma olimpíada todos juntos.

“Não só o meu sonho, mas de toda a minha família. Nossos pais sempre passaram e nos transpareceram simplicidade e humildade. Sinto que somos uma família diferente, tudo isso por causa deles. Já seria um grande feito estar jogando uma Olimpíada. Agora, imagina vê-los também, na mesma competição? Indescritível. Com muito esforço, trabalho e humildade creio que possa acontecer. Se Deus quiser”, sonhou Kevin.

(Com informações do UOL)