O Re-Pa decisivo do Parazão 2020 já começou. Na verdade, pode nem ocorrer, se depender da direção do Paysandu.

Na manhã desta sexta-feira (21), curiosamente após a classificação do Clube do Remo para a final do Estadual, o presidente bicolor,  Ricardo Gluck Paul, falou de supostas irregularidades nas inscrições do atacante Tcharlles e do lateral-esquerdo Marlon.

Em entrevista ao jornalista Magno Fernandes o mandatário bicolor explicou que “a inscrição tem até ser até 1 dia antes do BID da última rodada, que é a 10ª rodada. Aí o que acontece, os caras (sic) mudaram a rodada. Toda a rodada seria feita na quarta-feira, então o último dia era terça. Fizeram 2 jogos na terça a noite, entre eles o do Paysandu. Quando fazem isso, naturalmente o último dia de inscrição vem pra segunda, dia 3. E nesse dia, o Remo não tinha condições para fazer isso. O que a Federação fez: ela mudou a regra. Uma coisa é mudar a data, que pode ser feita por várias razões, mas eles mudaram a regra, que é pra fazer inscrições um dia antes do campeonato. Eles até poderiam fazer isso, desde de que, todos os clubes aceitassem a mudança, mas não fizeram porque nós não iríamos aceitar.  Enfim, Tudo procede, mas eu prefiro não dar mais declarações sobre esse assunto ainda antes de conversar com as pessoas e ter a melhor decisão”, destacou.


Outra polêmica levantada por Gluck Paul foi em relação às declarações proferidas pelo vice presidente da Federação Paraense de Futebol, com relação ao Papão ter pedido antecipação de jogo.

“Eu preciso deixar bem algo claro, que existe um equívoco e eu espero até que o Paulo Romano concorde e reverta, pois, eu não pedi para jogar terça o que ele falou que o Paysandu pediu jogasse, isso não é verdade. A solicitação foi da federação para a gente. A diretoria da entidade ligou para o Paysandu, perguntando se faríamos alguma objeção de jogar na terça. E falamos que não que não tinha problema A gente tinha jogado sábado, né? E depois ia jogar na quarta. E eles perguntaram se a gente podia jogar na terça. Eu falei, pode jogar, não tem problema nenhum”.

Quem também se pronunciou sobre o caso foi a diretoria do Castanhal, que poderia “herdar” a vaga azulina, mas já decidiu não se envolver na possível disputa jurídica levantada, como já foi dito, apenas agora que o Remo se classificou para a final do Estadual

(DOL)