Não bastasse a fragilidade do adversário, o Boa Esporte, que ocupa a lanterna do Grupo B da Série C do Brasileiro, com apenas dois pontos, o Paysandu tem a seu favor para a partida de amanhã, no estádio Dilzon Melo, em Varginha, interior de Minas Gerais, o bom retrospecto na temporada jogando como visitante. A derrota, por 3 a 1, diante do Internacional-RS, na estreia das equipes na fase de oitavas de final da Copa do Brasil, foi apenas a segunda da equipe bicolor em oito jogos oficiais realizados fora de Belém.

Na própria Série C, o Papão já mostrou sua força, vencendo e empatando com o Ypiranga-RS (0 a 1) e Volta Redonda-RJ (0 a 0) fora de casa, respectivamente. No Estadual, o time sofreu, em cinco partidas no território dos adversários apenas uma derrota, frente ao Independente (3 a 1), que lhe custou a saída da briga pelo título local e a perda da invencibilidade de 10 partidas dentro do Parazão.

O técnico Léo Condé e os próprios jogadores do Papão têm destacado o bom aproveitamento da equipe atuando longe de seu torcedor, sobretudo em jogos da Série C, que costuma ter público bicolor inferior em jogos dentro do Estado. “Eu penso que a campanha até aqui tem sido, de certa forma, satisfatória. Claro que a gente, principalmente por ter perdido em casa contra o Juventude, poderia estar numa situação melhor”, salientou.

Até mesmo o resultado obtido no estádio da Cidadania, na cidade de Volta Redonda, é louvado pelo treinador por se tratar de compromisso fora de Belém. “É claro que fora de casa um empate não deixa de ser um resultado importante”, valorizou Condé, que além do retrospecto favorável como visitante no Brasileiro, ainda conta com o fato positivo de conhecer bem o Boa, já que por longo tempo o treinador trabalhou no futebol de Minais Gerais, estado de onde é natural.

Entre os jogadores, a motivação é a mesma. “Vamos para Minas, com todo o respeito ao adversário, buscar os três pontos, que poderão nos deixar em situação mais tranquila naclassificação”, afirmou o goleiro Mota, que fez boas defesas na última quinta, na capital gaúcha, mas sem conseguir evitar a derrota na estreia na Copa BR.


Revés não é pra intimidar...

A derrota por 3 a 1 sofrida pelo time diante do Inter-RS, na partida de ida, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, na opinião do presidente do Paysandu, Ricardo Gluck Paul, que esteve presente na Arena Beira-Rio, não deverá tirar público da partida de volta entre as equipes na próxima quarta-feira em Belém. O dirigente, que retornou a Belém para participar de uma reunião ontem do Conselho Deliberativo do Papão, afirmou que a equipe gaúcha por si só já é um grande atrativo para o torcedor bicolor.

“Tem dois grandes atrativos para esse jogo na minha visão. O primeiro de o torcedor empurrar o Paysandu pra cima do Inter e o segundo que é o atrativo do jogo em si”, disse.

“O adversário, que tem jogadores de seleções internacionais, como o Nico López e o Guerrero, do Uruguai e do Peru, além de outros grandes jogadores como o Rafael Sobis e o próprio D’Alessandro voando, é um grande atrativo sem dúvida. É um time que vale ir ao estádio para assistir jogar”, disse.

Diante do poderio do time gaúcho, Gluck Paul avaliou como normal os 3 a 1 favorável ao adversário no jogo de ida. Para ele não é impossível para o Papão reverter no jogo de volta a vantagem construída pelo Colorado em casa. “Não é o que nós queríamos, mas acho que a gente está vivo”, afirmou.

Tem a confiança do técnico Léo Condé

Embora não tenha acrescentado quase nada ao time, chamando mais a atenção por uma pancada que levou na cabeça e que, em princípio, parecia ser grave, o volante Anderson Uchôa recebeu do técnico Léo Condé alguns “afagos” após a derrota, por 3 a 1, do Paysandu diante do Internacional-RS, na última quinta-feira. Nos comentários pós-jogo, o treinador bicolor avaliou como positiva a participação do atleta no confronto de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

“Pelo tempo inativo, ficou desde o término do Campeonato Paulista [sem jogar], quase dois meses, no meu entendimento ele conseguiu fazer uma boa partida dentro do que imaginávamos. Até superou um pouco, porque no meio do segundo tempo ele teve uma lesão no tornozelo e foi meio que no sacrifício até o final do jogo. No todo, foi bem”, afirmou Condé. O treinador ressaltou o período de inatividade vivenciado pelo atleta após a contratação pelo Papão.

“O Uchôa é uma das principais contratações que fizemos agora, junto com o Tiago Luís. Ele tem uma trajetória bacana no Fortaleza, fez agora um bom Campeonato Paulista pela Ferroviária-SP. Infelizmente, quando ele se apresentou, sentiu uma lesão no terceiro treino, e aí a gente foi preparando ele já pensando em utiliza-lo nessa partida”, comentou o técnico, que poderá voltar a utilizar o meio-campista diante do Boa, amanhã, no estádio Dilzon Melo, o Melão, na cidade de Varginha.

(Nildo Lima)