Em jogo considerado pelo técnico bicolor Hélio dos Anjos como “divisor de água”, o Paysandu enfrenta o Luverdense-MT, hoje, a partir da 17 horas, no Mangueirão, pela 8ª rodada da Série C do Brasileiro, precisando saber apenas do que pode dar certo, sem tempo a perder, como diz a letra de Go Back, canção dos Titãs. Só uma vitória interessa ao Papão, que diante de qualquer outro resultado – empate ou derrota – não só se afastará ainda mais do G4 da competição, como mergulhará de vez no abismo da crise, que poderá encaminhar o time à inédita participação na Série D do Nacional.

Os próprios jogadores admitem que chegou a hora da reação, não cabendo mais nenhum tipo de discurso. “O que tínhamos que errar, já erramos. Não é momento para desculpa”, admite o volante Anderson Uchôa. E não há mesmo como continuar “adoçando” a Fiel, que já não tolera mais ver seu time apenas perdendo e empatando. São sete jogos seguidos na temporada sem vitória, cinco deles pelo Brasileiro – os outros dois foram pela Copa do Brasil, diante do Internacional-RS.


Apesar dos últimos resultados adversos, que fizeram com que a equipe despencasse para a 7ª colocação, com 9 pontos, o Papão vislumbra a possibilidade de retomar uma das vagas no G4, desde que vença o adversário mato-grossense e, além disso, seus concorrentes Ypiranga-RS e Tombense-MG, cada um com 9 pontos, não vençam, amanhã, Boa Esporte-MG e Atlético-AC, fora de casa.

Mas, G4 à parte, o fundamental mesmo para o Papão, conforme admitem o técnico Hélio dos Anjos e seus jogadores, é vencer o Luverdense, de preferência com exibição convincente, detalhe que recobrará a autoconfiança do time e, também, a motivação por parte dos torcedores.

“A vitória é o que mais importa neste momento. Se ela vier acompanhada de uma grande partida de nosso time, melhor ainda”, afirma Uchôa. O jejum de vitórias do time vem mexendo com o emocional do time bicolor. “É uma coisa que chateia sim. Por isso precisamos acabar com essa fase o mais breve possível”, recomendou o atacante Vinícius Leite.

(Diário do Pará)