Depois de encarar quase um dia inteiro de viagem de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, até a cidade de Londrina, no norte do Paraná, o time do Paysandu iniciou ontem à tarde os preparativos para enfrentar o Londrina-PR, amanhã, no estádio do Café. Os bicolores participaram de uma sessão de hidroginástica, ministrada pelo preparador Ronny Silva, na piscina da Escola de Natação Gustavo Borges, com duração de cerca de uma hora. A movimentação leve teve como objetivo recuperar os atletas do desgaste inevitável provocado pelas 17 horas de viagem que o grupo bicolor enfrentou.

Silva não escondeu a sua preocupação com os efeitos do longo deslocamento do time até a cidade do interior paranaense. “A gente passou 17 horas entre estrada e deslocamento aéreo, então nada mais justo que recuperar esses atletas. Daí a opção de vir para a piscina e aproveitar para fazer também aqui um trabalho mais intensivo com aqueles atletas que não jogaram”, explicou o preparador. “A piscina proporciona o fator relaxante”, afirmou.


Silva acredita que a programação física elaborada por ele surta efeito positivo ao time. “Após este trabalho a gente espera que para o treino de amanhã (hoje) à tarde aqui em Londrina os atletas estejam bem recuperados e, no sábado, a equipe consiga fazer uma grande partida”, disse. O preparador assegurou que, apesar do cansaço causado pela viagem, o técnico Marquinhos Santos não tem problema de ordem atlética para escalar a formação bicolor.

“Todo mundo está inteiro. A gente tem feito um acompanhamento do grupo e ministrando boa suplementação aos atletas”, arguiu Silva, que, em seguida, justificou o motivo de alguns atletas sentirem cãibras no jogo contra o Luverdense-MT. “Alguns jogadores não vinham atuando. Posso citar o caso do (Rafael) Dumas, que não vinha atuando e que este ano só fez duas partidas, ambas aqui no Paysandu. Isso afeta no condicionamento do atleta”, apontou.

(Nildo Lima/Diário do Pará)