Em raras ocasiões Paysandu e Clube do Remo se enfrentam em igualdade de condições. Seja por investimentos, por momentos técnicos, seja pelo que for, num Re-Pa geralmente o pêndulo pende para um lado. Hoje à noite, às 20h, no Mangueirão, ao se encontrarem para o primeiro dos dois jogos decisivos do Campeonato Paraense, é o Leão Azul quem está melhor, a despeito dos números da competição estadual. Nenhum dos lados aceita qualquer menção de favoritismo, com jogadores e treinadores repetindo o mantra “em clássico tudo se iguala”. É o que se verá mais tarde.

Friamente, os números são favoráveis ao Remo. O clube azulino é o líder da classificação geral, com 29 pontos, um a mais que o rival. O Papão é melhor no ataque, com 28 gols marcados contra os 19 feitos pelo time azulino, que leva a vantagem na defesa, tendo sido vazado apenas oito vezes, enquanto que a equipe bicolor sofreu dez gols.

Mas seria apenas uma vantagem pequena se olhado apenas o Parazão, algo que daria razão ao dito de equilíbrio no clássico. Mas é na Série C do Campeonato Brasileiro que o leão dá um salto. Nas quatro rodadas, os remistas somam oito pontos com duas vitórias e dois empates, ao passo que os bicolores venceram apenas uma vez, com um empate e duas derrotas. As nuvens estão escuras sobre a Curuzu e as chances de mudanças na equipe são grandes. No Baenão, a vida está um pouco mais mansa, mas não quer dizer que o time também não sofrerá alterações.


Os comandantes de ambos os lados pregam a cautela porque sabem muito bem tudo o que ronda um clássico paraense, até porque têm experiência de ambos os lados. Outrora ídolo bicolor, Mazola Júnior hoje está no banco remista. O experiente Hélio dos Anjos já esteve nos dois clubes e voltou à Curuzu ano passado. Os dois sabem que falar de um clássico antes do jogo é pisar em ovos. Qualquer deslize pode dar munição ao adversário.

“É um dos maiores clássicos do mundo e do Brasil, mesmo com os clubes na Série C”, disse Mazola. “Será uma partida totalmente diferente em que o individual vai decidir, pois todos se conhecem. Sabemos como o Paysandu joga, eles também sabem como jogamos, serão duas partidas decisivas e quem tiver mais competência e querer vai levar, pois é assim que se ganha decisões”, completou o remista.

O técnico bicolor também prega o algo a mais para se dar bem no Re-Pa. Para Hélio dos Anjos, o clássico é um jogo totalmente diferente. “É diferenciado em tudo e temos que ser diferentes para sermos mais competitivos. Serão dois jogos decisivos e temos que mudar radicalmente o comportamento do time. Vai ser um jogo de jogador grande, de jogador competitivo, de jogador que tem a vontade de ganhar título, tanto quanto o comando tem”.

Prováveis escalações

Paysandu: Gabriel Leite; Tony, Wesley Matos, Perema e Bruno Collaço; Uchôa, PH e Alex Maranhão; Mateus Anderson, Vinícius Leite e Nicolas.

Remo: Vinícius; Everton Castro (Mimica), Fredson, Rafael Jansen, Marlon; Djalma, Gelson, Lucas Siqueira, Júlio Rusch (Ermel); Eduardo Ramos; Tcharlles.

(Diário do Pará)