Ao longo do dia de ontem, o plantel do Clube do Remo realizou o seu último treinamento deste ano, no Centro Esportivo da Juventude (Ceju). A movimentação foi feita em dois períodos e, em ambas, o treinador Ney da Matta deu ênfase em dinâmicas tática e técnica, justamente para o time ir afiado para o amistoso de hoje, às 16h, contra o Castanhal, em Santa Maria do Pará.

Embora o jogo faça parte do planejamento de pré-temporada, para o Leão, o confronto é visto como uma partida oficial. Isso por que o Japiim vem realizando uma metodologia de treinos semelhante, além de ser concorrente no Parazão 2018. O Castanhal é um das equipes mais adiantadas em termos de preparação e elenco do Estadual, o que fará com o que o Remo tenha um duelo mais equilibrado do que os seus dois últimos jogos-testes.

A tendência é que Ney da Matta coloque em campo a formação que utilizou nos coletivos passados, com três atacantes. E, como adiantou o comandante, foram feitas algumas avaliações para o conhecimento do rival, até para que não aconteçam surpresas no duelo. “É um jogo que para nós é encarado como obrigação. Não por precisar urgente da vitória, mas para nos apontar que estamos no caminho certo. Para dizer que o que estamos produzindo é o correto. É uma equipe que está se preparando igual a nossa e que nos dará uma competitividade maior. Estudamos eles, assim como devem ter feito também”, disse o treinador.

JAPIIM VEM PREPARADO


Assim como o Clube do Remo, o Castanhal reformulou por completo o seu plantel. Com Lecheva no comando, o Japiim conta no elenco com o meio-campista Flamel, ex-azulino, e o atacante Heré, um dos destaques da Segundinha. “Nós daqui sabemos do potencial do professor Lecheva, e dos próprios atletas que estão reforçando o time. Vai ser um bom jogo e esperamos sair com mais uma vitória”, almeja o atacante Elielton, que trabalhou com Lecheva no Tapajós.

EFEITOS DE UMA VITÓRIA CONVINCENTE NO AMISTOSO

Confiança: em caso de mais uma vitória, o Clube do Remo ganha mais força para o Paraense, que está cada vez mais próximo. No entanto, como explicou o treinador Ney da Matta, essa é uma confiança benéfica, ou seja, que induz o time a evoluir e manter a humildade, e não mascarar os erros, independentemente de resultado.

Conhecimento regional: esse será o primeiro jogo da nova equipe do Clube do Remo, com características do Estadual. O time irá enfrentar uma equipe atuante em um estádio com condições parecidas com os quais o Leão irá encontrar no Parazão. Caso desempenhe um bom futebol, isso demonstrará que o plantel assimilou de forma rápida e produtiva as particularidades paraenses.

Condicionamento físico: até o momento, a intensidade é o que vem definindo os preparativos do plantel remista. Todo treinamento pós-coletivo, a equipe retorna novas grades de exercícios Para o preparador físico do time, Altamir Junior, o condicionamento físico aliado à movimentação tática e técnica é o caminho das pedras.

Vitória hoje pode refletir na venda de ingressos

Realizando um planejamento distinto de temporadas passadas, o Remo inovou em certos fatores. Um deles é a venda antecipada de ingressos para a partida de estreia contra o Bragantino, no dia 14 de janeiro, no Mangueirão, pelo Campeonato Paraense. 10 mil bilhetes foram colocados à venda em preço promocional. Desse número, mais de 4 mil já foram adquiridos.

Para o diretor de futebol Milton Campos, a procura é algo normal se tratando de Remo, já que em menos de um mês um grande número foi comprado. Porém, dependendo da atuação e resultado do jogo de hoje, contra o Castanhal, as entradas restantes deverão se comercializadas ainda mais rapidamente. “O torcedor, mesmo desconfiado, acredita no clube de coração. Nós da diretoria, presidência, executivo e comissão técnica, temos o compromisso de resgatar a confiança e o lado vitorioso do Remo. Nosso torcedor está demonstrando o seu papel. E isso é digno de destaque. Vamos continuar fazendo tudo com ética e responsabilidade dentro e fora de campo. Se continuar assim, vitória amanhã (hoje), mais ingressos serão vendidos”, destacou o diretor.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)