Após o jogo, o técnico Guilherme Alves, que chegou a quatro pontos no comando do Paysandu em duas partidas, ordenou aos seus jogadores que fossem até a beira do gramado agradecer o apoio dos poucos torcedores – apenas 1.823 – que meteram a mão no bolso para prestigiar o time bicolor num momento de grande dificuldade. Na saída de campo era visível o alívio dos atletas e nem poderia ser diferente, afinal de contas o Papão não vencia há oito partidas. O zagueiro Diego Ivo afirmou que a vitória estava demorando a ocorrer. “A gente até vinha jogando bem, mas os resultados, infelizmente, não vinham acontecendo. Hoje (ontem), conseguimos jogar bem e garantir o resultado”, declarou.

“Agora não podemos nos acomodar e achar que está tudo bem. Não. Precisamos partir para cima do Figueirense-SC também e buscar uma outra vitória, ainda mais que vamos voltar a jogar em casa”, complementou Ivo. Em determinados momentos, o Papão conviveu com o risco de deixar escapar o resultado, o que, segundo o volante Nando Carandina, já era previsto. “A gente sabia que seria dessa maneira”, afirmou. De acordo com o meio-campista, o triunfo sobre o Bugre deve representar uma virada na trajetória do Paysandu no campeonato. “A gente está brigando lá em baixo na classificação, mas a sorte está mudando agora com essa vitória”, ressaltou. O mesmo discurso de Carandina foi adotado pelo zagueiro Edimar. “Agora as coisas vão mudar para o Paysandu com certeza. Ainda vamos incomodar nesse campeonato. Temos tudo para isso”, garantiu o defensor. “Essa vitória veio no momento em que a gente mais precisava. O time vinha apresentando um bom futebol, mas infelizmente os resultados não estavam acontecendo. Hoje (ontem) aconteceu e agora é aproveitar esse bom momento para avançar mais”, completou.


(Nildo Lima/Diário do Pará)