Rodriguinho é uma das grandes novidades da Seleção Brasileira para os amistosos na Austrália contra a Argentina e a seleção local. Vivendo um grande momento no Corinthians, o atleta que já trabalhou com o técnico Tite acabou sendo convocado e espera deixar uma grande dúvida na cabeça do treinador ao voltar para o Corinthians. Ciente de que resta pouco tempo para a Copa do Mundo da Rússia, o meia corre contra o tempo para garantir uma vaga entre os 23 selecionados.

“Acho que o momento que estou vivendo é importante estando perto da Copa. O que faz a gente chegar na Seleção é o trabalho que fazemos em nossos clubes, por isso que estou aqui. Agora nesses dois jogos vou tentar fazer o melhor e, se eu tiver uma oportunidade, fazer um bom jogo para que possa ser lembrado outras vezes”, disse Rodriguinho.

“O Tite já tem um grupo quase definido, mas ter essa oportunidade de estar aqui e poder deixar uma dúvida para ele se eu tenho merecimento e condições de ir para a Copa do Mundo é ótimo”, completou o corintiano.


Rodriguinho também comentou sobre suas primeiras experiências na Seleção Brasileira. Reencontrando jogadores que atuaram ao seu lado, o meia ficou mais à vontade, mas não escondeu seu estranhamento de compartilhar o ambiente com atletas que antes só via pela televisão. Ele aproveita esse período para ouvir algumas histórias e aprender com os nomes mais tarimbados.

“Me dediquei muito para estar aqui, trabalhei bastante para que esse momento chegasse. Feliz por essa oportunidade ter aparecido. Agora é tentar agarrar da melhor forma possível. Revi amigos aqui, jogadores que estiveram comigo, alguns que só via pela TV hoje tenho a felicidade de compartilhar o mesmo grupo e aprender com eles. Espero evoluir ainda mais para poder somar com esse grupo que já está dando alegria para a gente”, revelou.

A escolha do técnico Tite em trazer Rodriguinho para a Austrália foi bastante questionada por torcedores. Ao ser perguntado se achava que receberia uma oportunidade de vestir a amarelinha caso o ex-técnico corintiano não estivesse à frente da Seleção, o meia mostrou confiança.

“É uma pergunta difícil, mas como ele é o treinador que tem o maior respaldo no Brasil e está fazendo um excelente trabalho, que fala tanto em merecimento, acho que estou aqui por méritos”, finalizou.

Fonte: Gazeta Esportiva