O treinador do Clube do Remo, Márcio Fernandes, amanhã à tarde, vai assumir a equipe à beira do gramado pela quarta vez. Até o momento, foram três empates, dos quais apenas o primeiro tempo diante do Paysandu, no clássico Re-Pa da semana passada, de fato agradou pela disposição dos jogadores. O treinador, inclusive, engatou o seu sétimo jogo sem vitória, já que pelo Aparecidense também não venceu, ampliando a estatística para dez partidas, se comparado com as últimas participações de 2018.

Para os torcedores mais exigentes, a falta de resultados positivos por parte do Leão tem sido uma preocupação, especialmente pela etapa decisiva estar próxima. Os próprios atletas enfatizam que irão atrás do triunfo até mesmo para presentearem o comandante. Mas, para Márcio, a vitória não é tudo. “Olha, acho que mais importante, pelo menos pra mim, é a equipe demonstrar dentro de campo que pode vencer. O ‘vencer’ depende de alguns fatores. Nem sempre jogar bem você consegue uma vitória, às vezes joga mal e vence. Às vezes mesmo vencendo eu não fico satisfeito e outras com o empate eu fico satisfeito…”, avalia. “O time está classificado, não sei de onde vocês puxam tanta pressão. É claro que todo o jogo que a gente for fazer, vamos procurar vencer”, avisou.

GRUPO FECHADO


Amanhã à tarde, a equipe azulina irá a campo diferente. A mudança parte pelos desfalques Djalma, David Batista e Rafael Jansen. Mas, para os que estarão à disposição da comissão técnica, mesmo sem a presença do trio, cada um terá a sua parcela de contribuição para que o time busque a vitória. “O grupo está fechado e muito unido aqui. Todo mundo ajuda, dentro ou fora de campo e isso é muito importante nesse momento que estamos prestes a jogar uma semifinal. Não importa quem vai entrar, todo mundo aqui tem o seu valor e vamos jogar para vencer”, disse o atacante Gustavo.

O goleiro Vinícius compartilhou do pensamento. “A equipe vem bem, e temos que continuar assim, trabalhar forte, se esforçar cada vez mais que os resultados vão aparecer”, falou.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)