Bragantino termina hoje sua preparação em Bragança e viaja a Belém onde, amanhã, enfrenta o Paysandu na partida de volta de uma das semifinais do Campeonato Paraense. Assim como foi antes do primeiro confronto, o técnico Arthur Oliveira desconversa e não entrega o time que entrará em campo. Contudo, as chances de ser a mesma formação que iniciou a primeira partida são grandes.

Pela manhã, comissão técnica e elenco foram à escola pública Cristiano Rosa, na Vila Sinhá, retribuir a injeção de ânimo que tiveram antes da partida de quarta-feira. “Um dia antes do jogo recebi várias cartas dessa escola onde os alunos falavam que estavam torcendo pela gente e que gostariam de me conhecer e aos jogadores. Usei isso no vestiário e mostrei a todos o quanto uma vitória era importante para a cidade”, comentou Arthur.


De acordo com o treinador do Tubarão do Caeté, mesmo com a enorme vantagem, o time não vai mudar a forma como joga. “Temos que ter inteligência em uma momento de decisão, mas não vamos mudar. Meu time sempre jogou da mesma forma, dentro ou fora de casa. Joga em velocidade e vamos tentar usar os espaços que o Paysandu deve dar, já que terá que ir para cima”.

POLÊMICA

O Rei Artur comentou a polêmica com alguns jogadores do Paysandu, que reclamaram de um suposto exagero na comemoração do banco do Bragantino. “Quer dizer que não podemos comemorar um gol do nosso time em nossa cidade? Tem que parar com essas coisas, se não o futebol vai ficar muito chato. Isso parece desculpa de perdedor e nem levamos em conta”.

(Tylon Maués/Diário do Pará)